Foi anunciado hoje (04) pelo IBGE os números do PIB para o ano de 2019, o primeiro da demolidora Bolsonaro e ele foi de 1,1%, um resultado abaixo do que os números do governo Temer. O crescimento em relação ao trimestre anterior teve um leve recuo, foi de 0,6% para 0,5%, num momento que tradicionalmente a atividade econômica cresce por conta das festividades de final de ano.

Mesmo após o duríssimo ajuste fiscal de Temer, a reforma trabalhista que precarizou o trabalho no Brasil jogando 41% da força de trabalho na informalidade, totalizando 52% da população que não sabem o que vai ser delas no dia de amanhã e com a destruição da previdência social com a reforma da previdência e a volta das filas do INSS, ainda sim o crescimento foi pífio.

Não se pode dizer que este número pífio foi culpa do COVID-19, já que ele só começou a circular na virada do ano de 2019 para 2020. Em parte tivemos sim o problema da tragédia de Brumadinho que paralisou a mineração, um setor econômico do qual o Brasil depende muito, mas mesmo assim o final do ano teve uma diminuição do crescimento em relação ao trimestre anterior, quando deveria ter um crescimento maior e isso foi não por fatores externos, mas pela fragilidade da economia.

Agora com a China que é o nosso maior parceiro comercial paralisada por conta da COVID-19, as perspectivas para a economia global é de piora, uma amostra disso é o Federal Reserve dos EUA fazendo a maior redução na taxa de juros desde a crise de 2008. O preço das commodities, do qual o Brasil é dependente, está em vertiginosa queda, com o preço do petróleo caindo de 70 dólares do começo do ano para 51 dólares, o preço do boi gordo, que por conta da peste suína africana, estava em uma grande maré de alta chegando a 130 dólares, agora se encontra em 111 dólares, e o minério de ferro que estava sendo negociado a 95 dólares, agora está em 88.

Tudo isso se refletiu na queda da balança comercial, que apesar de fevereiro ter sido positivo em 3 bilhões de dólares, em janeiro foi negativo em 1,7 bilhões de dólares, sendo o pior resultado desde o começo da crise em 2015. 

Questionado sobre o resultado pifio do PIB, Bolsonaro perguntou para o comediante Carioca, que no momento estava imitando-o as portas do alvorada, “PIB? o que é PIB?”. Antes da chegada de Bolsonaro, o comediante Carioca, caracterizado como Bolsonaro, retirou do carro de onde saiu um cacho de bananas e ofereceu a imprensa, satirizando as criticas feitas as bananas que Bolsonaro deu aos repórteres anteriormente.

A publicação do resultado do PIB é um evento sempre esperado, com data marcada pelo IBGE, a cena pitoresca de hoje é uma amostra do desprezo que Bolsonaro tem para com o sofrimento do povo, que teve que fazer grandes sacrifícios para absolutamente nada. A economia brasileira caminha para um novo precipício mesmo com todo este sacrifício, a tendência, não apenas brasileira, mas mundial é de queda da atividade econômica e qualquer novo ataque que será feito contra a população será inócuo diante a este cenário desafiador. Por isso não se deve aceitar nenhum ataque a mais contra o povo, que só deve cessar com a destituição do demolidor em chefe da nação.

Ler Também

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.