por um novo Brasil, contra o obscurantismo reacionário

O ser humano, desde os primórdios vem lutando para controlar o seu destino, saber o que se passa ao seu redor e a partir daí definir como será o dia de amanhã. O mundo foi construído a partir desse ato de rebeldia da humanidade para dominar seus meios de subsistência, o ambiente ao redor, seu corpo, suas funções vitais, sua mente, a sociedade ao seu redor, os meios de poder, vida, morte (ainda que não consiga evitar), seu destino.

Para isso, primeiro dominamos os meios de subsistência, dominamos o fogo para melhorar nossa alimentação, criamos ferramentas de caça, a agricultura, domesticamos animais, usamos madeira, pedra e argila cozida para construir abrigos seguros, os núcleos familiares se uniram em tribos que depois viraram aldeias e cidades.

As sociedades se estratificaram com a divisão social do trabalho, que melhorou, e muito, a produtividade do trabalho, pois com pouca instrução, o indivíduo se tornava produtivo e útil a sociedade, mas com ela veio as classes sociais, a exploração do homem sobre o homem, vale salientar, iniciada com a exploração do homem sobre a mulher. 

Com isso surgiu o déspota e o autoritarismo, os exércitos, as guerras, ferramentas até então usadas para caçar e pescar nosso alimento diário, se voltaram para ceifar a vida de outros seres humanos, as ferramentas que outrora sustentavam nossa vida, se tornaram ferramentas de morte.

E desde então, nossa maior luta vem sendo para dominarmos esse monstro que nos alimenta e nos mata que é a divisão social do trabalho, geradora de prosperidade e de tirania, de ordem e de caos.

Para isso, primeiro se rompeu a barreira do medo, do medo de mudar, do medo de construir o novo, e quando essa barreira caiu, criamos meios de controle e de conquista do poder, a política.

Iniciada na cidade-estado de Atenas, a elite da cidade, pela primeira vez na história, não confiava o poder político nas mãos de um líder todo poderoso, mas no conselho dos cidadãos da cidade, um modelo que ainda inspira, apesar de altamente contraditório, pois, para terem tempo para decidir os rumos da cidade, escravizavam, tiranizavam, populações inteiras. Estima-se que os “cidadãos” aptos eram apenas de 10% a 20% da população da cidade, que o restante era de mulheres, crianças, estrangeiros, mas principalmente, de escravos.

É inegável as contradições da civilização greco-romana, mas foi inspirados nelas, em suas virtudes, seus defeitos, seus acertos, e principalmente, seus erros, que inspiraram as repúblicas representativas modernas.

Foi inspirado nelas, nos filósofos e sábios do mundo greco-romano, Tales de Mileto, Pitágoras, Arquímedes de Siracusa, Demócrito de abdera, Eratóstenes, Ptolomeu, Epicuro, Sócrates, Aristóteles, Platão, Aristarco e a mártir da razão Hipátia de Alexandria, que pessoas como Copérnico, Giordano Bruno, Galileu Galilei, Johannes Kepler, Tycho Brahe, Baruch de Espinosa, Descartes, Kant, Leibniz, Gauss, Newton, Darwin e tantos outros se inspiraram para construir a filosofia, ciência e método que construíram a civilização global moderna, sem o qual não poderíamos ter nem mesmo a maravilha tecnologia que permite esse artigo ser levado até você.

A política moderna e as relações humanas, só são possíveis de existir e serem compreendidas (ainda que esses tempos fazem-na parecer confusa e nebulosa) graças a Maquiavel, Rousseau, Voltaire, Locke, Danton, Robespierre, Marat, Adam Smith, e sim, Marx, Engels, Lenin, Stalin, Mao, Kim Il Sung e Kim Jong Il, são os faróis que iluminam o caminho da humanidade por esse mundo nebuloso no qual estamos.

O Brasil desde o GOLPE de 2016 vem passando por uma onda reacionária e obscurantista, cujo o objetivo é jogar os pobres, negros, mulheres, índios e tantas outras minorias, para a ignorância, a pobreza, a miséria e a ditadura. Não que o PT tenha sido um partido revolucionário, que tinham um plano de mudança radical para o Brasil, pelo contrário, a prática do PT sempre foi a conciliação com as elites, a mudança cosmética da sociedade, o estado fazendo o mínimo para evitar, não a pobreza, mas que a pessoa passe fome, e com essas medidas conciliatórias, que em muitas ocasiões se chocaram direto com o conjunto do povo,  mas que tentava dar ao menos o mínimo de dignidade para nossa gente.

Infelizmente, nos atuais dias, a política da esquerda é a política do náufrago na ilha deserta, sem bússola e sem mapa, descartados para a política conciliatória, andam desnorteados, lutando para sobreviver, mas cometendo erros tão tolos que nos fazem questionar, será que sabem o que estão fazendo?

Pedir censura para o estado burguês reacionário, no qual sofreu um golpe de estado, é o melhor caminho para se combater um inimigo do povo? Não será por causa do esgotamento do modelo de conciliação que o PT sofreu o golpe? se foi por isso, por que tentar conciliar de novo? já não veem que o tempo para acordos acabou? 

Somente o combate ideológico, e prático contra as forças obscurantistas da irracionalidade, do reacionarismo anti-pobre, antipovo, racista e misógino, é que irá resolver a situação, não é pedindo censura às fake news que iremos combater as fake news, mas é com a verdade que se combate a mentira, até porque, quem as propaga, são os que hoje tem o controle do estado.

Como veem, não sou neutro, tenho lado, mas não é por ter lado que temos que fazer algo de baixa qualidade, mentiroso e enganador. A isenção acaba quando escolhemos o assunto e o método a ser empregado, mas acima de tudo, a razão deve estar acima de nossas paixões.

E é com essa proposta, de levar a razão ao debate político, combater as mentiras da direita reacionária e obscurantista, anti-povo, anti-pobre e anti-brasileiro, que essa humilde pagina nasce, com recursos modestos, porém com a defesa firme de seus ideais.

Pelo domínio do povo trabalhador da política, pelo fim da exploração do homem pelo homem, pela democratização do conhecimento, defendendo a manutenção e ampliação das políticas que dignificam a vida do povo, como a educação pública, o SUS, a CLT, as universidades, que sejam públicas, gratuitas e para todos, sem distinção de qualquer gênero, comprometido com a propagação da racionalidade, da verdade e da ciência.

Contra a censura, tanto a estatal quanto a usura do paywall, pois só com o conhecimento que se combate o obscurantismo, só com a verdade se combate a mentira, só com o povo que se combate a tirania. Só com o socialismo que se alcançará o luminoso futuro da humanidade.

São Paulo, 9 de Janeiro de 2020, meio-dia.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.