O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem se destacado no combate a doença (que não podemos citar o nome correndo o risco da página no Facebook ser derrubada pelo próprio Facebook), porém neste combate vem se contrapondo ao demolidor em chefe, Jair Bolsonaro, que não aceita a gravidade da situação e como deixou claro na entrevista de ontem (02) no Jovem (passa) Pan(o), considera tudo isso uma grande conspiração global para derrubá-lo.

O mais intrigantes, e ao mesmo tempo, preocupante, é a fritura iniciada nesta entrevista do ministro da saúde pelo demolidor em chefe ao dizer que o ministro não foi “humilde” e que estão se bicando a algum tempo, e completou ao dizer que não iria demiti-lo agora, mas que não existe ministro “indemissivel”. Esta entrevista é uma prova clara que o discursos “conciliador” feito na última terça-feira (31), não era verdadeiro, de que o demolidor da TV não é o demolidor do gabinete.

Toda esta política negacionista do demolidor em chefe está cavando a própria cova de seu mandato, pois, ao conspirar de dentro do governo contra uma política de saúde pública está cometendo crime de responsabilidade, o mesmo que ele usa como desculpa para não pagar a renda básica emergencial para os informais que se encontram sem renda e o mesmo usa como desculpa para a sabotagem.

Junto com isso, o demolidor em chefe vem utilizando-se de pessoas, supostamente “populares” para distorcer a realidade e sabotar a quarentena, com o vídeo falso (admitido a falsidade do vídeo pelo próprio palácio do planalto depois da apuração feita pela Globo) de que havia desabastecimento. 

Outro caso singular foi uma declaração feita em vídeo compartilhado pelo demolidor em chefe ontem (02) de uma suposta “professora” que estava no meio da claque que fica às portas do Palácio do Alvorada, na qual ela dizia que “ “É difícil para o senhor porque só tem gente para derrubar. Mas, o senhor tem o povo e eu faço parte dele. Eu tô aqui pedindo: põe o Exército na rua, presidente, abra esse comércio. Sou professora e não estou podendo dar aula”.

O portal Brasil 247 publicou hoje uma matéria de uma investigação, feita por um internauta, na qual mostra que a suposta “professora” é uma empresária que mora em um bairro nobre do Distrito Federal. 

A demolidora Bolsonaro não para com sua missão de destruição do Brasil, para isso agora se utiliza de um fator inesperado que é a pestilência que está se disseminando em todo o mundo, com perspectivas de matar milhares de pessoas, para destruir os direitos dos trabalhadores e o sistema de saúde ao não fazer nada para deter a peste. 

Como o Mandetta está fazendo suas obrigações como ministro e médico formado, está sendo colocado na frigideira pelo demolidor em chefe para a sua demissão, mesmo que qualquer um que ande com o demolidor não seja flor que se cheire, mas este caso mostra que o maior perigo a saúde do povo brasileiro não é a pandemia, mas a própria demolidora. Para que o combate a pestilência dê certo, além das medidas tomadas é necessário saída do demolidor em chefe do poder.

Fora Bolsonaro!

Recomendações do Ministério da Saúde (leia mais sobre a doença em https://coronavirus.saude.gov.br/ )
Recomendações do Ministério da Saúde (leia mais sobre a doença em https://coronavirus.saude.gov.br/ )

Leia Também:

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.