O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (23) que se recriar o ministério de segurança pública, Sérgio Moro não será o responsável pela pasta, mas que permanecerá no ministério da justiça. Personalidades como o presidente da câmara dos deputados, Rodrigo Maia, já se manifestaram a favor da recriação da pasta. Segundo Maia, o fim do ministério da segurança pública realizado por alguém que tem como pauta justamente a segurança foi um erro.

A notícia da recriação do ministério surge num momento em que os atritos entre Sérgio Moro e Bolsonaro voltam a estar átona com o afastamento do partido PODEMOS, de Álvaro Dias, que tinha como promessa de campanha ter Sergio Moro como ministro da justiça, da base bolsonarista.

Isso é um sinal de que uma ruptura entre Bolsonaro e Moro pode estar a caminho. Acontece que os institutos de pesquisa apontam Moro como mais popular que Bolsonaro, apesar de sua popularidade estar em baixa, o que assanha as ambições de Moro para 2022, mesmo sendo um dos cotados a ocupar uma cadeira no STF.

Apesar desse conflito de egos entre Bolsonaro e Moro, ambos têm o mesmo projeto destrutivo para as liberdades democráticas. Em nenhum momento a discordância entre Moro e Bolsonaro foi por causa de algum ataque às liberdades democráticas, pelo contrário, Moro é cúmplice desses ataques.

Questionado no Roda Viva (que parecia uma roda entre amigos) do dia 20, Moro foi evasivo quando perguntado sobre seu silêncio em relação aos recentes ataques às liberdades democráticas. Programaticamente, Moro e Bolsonaro são demolidores do estado democrático de direito.

As liberdades democráticas são importantes porque ela garante a proteção do cidadão contra o autoritarismo estatal, principalmente num país cuja a elite tem fortes traços autoritários, como o apoio dela a Bolsonaro demonstra. Por isso é importante que qualquer ataque às liberdades democráticas sejam rechaçados. 

Nenhum dos dois, nem Bolsonaro e nem Moro estão comprometidos com ela, pelo contrário, estão comprometidos com a destruição não só das liberdades democráticas, como também de todo o estado brasileiro, e ambos tem que ser expulsos do governo.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.