Na demolidora Bolsonaro a bola da vez no final de semana foi a diminuição do espaço da biblioteca da presidência da república, com um acervo de mais de 40 mil itens, incluindo discursos presidenciais, para dar espaço a um gabinete da primeira-dama michelle bolsonaro e seu programa de incentivo ao voluntariado o “Pátria Voluntária”.

 Ao ser questionado sobre a diminuição do espaço da biblioteca, Bolsonaro disse que a mulher dele deveria ser elogiada pelos resultados do “Pátria Voluntária” e logo em seguida deu uma banana aos jornalistas que estavam às portas do Alvorada.

Esta não é a primeira vez que o demolidor em chefe dá uma banana a imprensa, no dia 8 de fevereiro, ao criticar a cobertura da imprensa a declaração dele de desafio aos governadores em relação ao preço dos combustíveis ele fez o gesto a imprensa.

O fato de diminuir o espaço da biblioteca da presidência da república para dar um gabinete a mulher dele tocar um programa que tem mais um caráter propagandístico do que efetivo, é uma amostra do desprezo deste governo para o conhecimento. 

Uma biblioteca é um organismo feito naturalmente para crescer, ter mais e mais livros, jornais, e no caso da biblioteca da presidência da república, para abrigar os discursos e acervos referentes a presidência da república, ainda que bem menor que a grande biblioteca nacional, tem uma grande importante para aqueles que estudam os atos passados dos presidentes.

Num governo que a demolição da educação e das liberdades democráticas estão na ordem do dia, a diminuição do tamanho da biblioteca da presidência da república é também um ato de demolição da memória nacional. Não que antes dele estivesse preservada antes, pelo contrário, o incêndio no museu nacional do Rio de Janeiro é uma amostra efusiva de que a memória nacional vem sendo desprezada pelos governantes e pela elite a algum tempo, pois enquanto Notre Dame teve o apoio financeiro maciço de mais de 2 bilhões de reais em um dia para a sua reconstrução, o museu nacional mal teve 1 milhão em doações.

A banana de Bolsonaro a imprensa neste fim de semana foi uma banana ao conhecimento e a memória nacional, e mostra o total desprezo ao conhecimento da demolidora Bolsonaro. A única forma do Brasil se desenvolver é com a melhora da educação, que não é apenas matemática, física, química, mas também passa pelo estudo de nosso passado, pela preservação do conhecimento já adquirido, e a diminuição do espaço de uma biblioteca é a amostra do sufocamento deste conhecimento.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.